agosto 04, 2010

Laura II

Laura me olha com seus olhos de amêndoas. Toco-a em seus braços, na busca de um apoio à minha fraqueza, porque nesse exato momento meu corpo perde a vontade de continuar seus movimentos. 
E eu continuo sussurrando: "Quero ir... Deixa-me ir." 

Mas Laura não pode deixar eu ir.
Ela não decide nada. 
Que tolice a minha ... Uma pena, ela se tornar meu alvo de lamentações. 

"Sou doente. Sou doente ... " Só consigo pensar nisso. O tempo todo.

Laura chora demais ao me ver assim. Me abraça e sem palavras me aperta contra ela.
Sinto que se ela pudesse, daria o resto de vida dela para mim.
Nos tornamos duas perdidas. 
Mais uma história triste num mundo, ás vezes patético.


5 comentários:

Amanda disse...

Histórias tristes tendem a ser belas.

leonel disse...

Gostei de cá. Vou te linkar lá no Lado B.

Abraço!

Limão com vodka disse...

Beautiful, as always.

Limão com vodka disse...

Beautiful, as always.

Laura Brandão disse...

Verdades, coisas tristes tendem a serem belas!