novembro 29, 2009

O Balão


Ela parou no meio do campo. O campo perto de sua casa. Tão grande e vazio, mas que se encheu de um sentimento inexplicável.
Ela ficou como estátua, enquanto o enorme balão vermelho vinha em sua direção. Vermelho não comum. Era o vermelho do medo.
Ele se aproximava cada vez mais e ela não saía do lugar; não conseguia.
O balão era realmente assustador. Chegou bem perto e ela se jogou para o outro lado.

Ouviu o barulho do impacto e tudo ficou muito claro. Tapou os olhos e quase chorou.
O barulho foi ficando mudo...

O balão sumiu.
O campo sumiu.
Ela desapareceu.

Acordou no próprio corpo; na própria vida e jurou nunca mais sonhar com aquilo de novo.

6 comentários:

Rodrigo_Marques disse...

Puxa vida muito legal!
Ficou perfeita essa narração de um sonho meio sinistro de alguém.
Realmente sonhos são mesmo assim...as vezes tem tantos significados que parece até inexplicável.^ ^
Parabéns Steph,está demais \o/

Dri Viaro disse...

Bom dia :)
Que sua semana seja repleta de coisas boas
beijossss

Lorde Croowel disse...

Bem psicodélico e com um Q de terror. Curti, me lembrei do Stephen King, ele curte essas paradas com esse estilo. \o/
Parabéns.

Dark and Light disse...

Que o Balão do medo se estoure e suma para sempre, pois teme-lo não vale a pena, nem é necessário.
Medos são comuns e por mais que nós nos sintamos encuralados por eles nós estamos no grande campo da vida e podemos sempre enfrenta-los ou nos esquivar para podermos enfrenta-los mais tarde, quando formos mais fortes.
Um grande beijo pra ti
e uma boa semana
Te adoro escritora s2

• || Rai || • disse...

Thank's pela visita ^^
Seja sempre bem-vinda!

Bjusss!!

Amanda disse...

poético.
eu também queria acordar e ver que era um sonho.
mas meu balão ainda tá aqui.